Custos de campanhas eleitorais devem despencar em 2016 – Por Jean Sestrem

Custos de campanhas eleitorais em 2016 devem despencar

Apesar do veto da Presidente Dilma, bem como a decisão de inconstitucionalidade do financiamento privado de campanhas eleitorais pelo Supremo Tribunal Federal, estas sofrerão uma queda de custos significativa por conta do avanço das tecnologias e também pela capacidade técnica acessível hoje a produtoras de conteúdo digital cada vez mais presentes no mercado.

Com o advento da modernização das relações midiáticas com a sociedade, o crescimento gigantesco das redes sociais, associados à queda vertiginosa das audiências da TV aberta e do rádio, as campanhas nas mídias alternativas de ontem devem ocupar o lugar mais alto da lista de investimentos no próximo pleito eleitoral, saindo do status de alternativas para protagonistas no quesito orçamento.

O fluxo de conteúdo e promoção pela internet, além de serem infinitamente mais baratos, carregam a responsabilidade de suprir o esvaziamento monetário das campanhas pela questão Legal, bem como, a temeridade de investidores em se verem envolvidos em escândalos arriscando seus negócios.

Outra vantagem importante que fará a diferença no investimento é o calendário eleitoral que é mais extenso e livre tanto para a promoção, quanto para o fomento e engajamento social através das redes. Um candidato pode usar muito mais tempo os meios digitais para se promover através de conteúdos de interesses público e ao mesmo tempo, interagir com a sociedade como um todo ou em nichos e núcleos sociais organizados eletronicamente e hoje muito expostos e ativos no novo modelo.

Campanhas milionárias de produções suntuosas para TV e rádio custavam uma “baba” de dinheiro, tanto que os custos pouco eram divulgados individualmente para não precisarem dar muita explicação, mas felizmente, nesta nova fase, alcançamos principalmente no sul do país, com a internet e suas ferramentas e aplicativos, 75% da população brasileira que saiu definitivamente da camada de mero espectador e passou a ser coadjuvante ativo na formação de opinião ou mesmo na propagação desta.

Especialistas apostam que 2016 finalmente será o portal que nos levará de maneira consolidada ao futuro das eleições de alta qualidade de produção a custos infinitamente baixos se comparados com o modelo arcaico e unilateral de propagação de ideias e propostas. Bem vindo ao futuro, o primeiro grande passo para a manutenção de uma democracia mais justa e humana.

A INTELDATA Inteligência Informacional com sede em Itajaí, Santa Catarina, se preparou com conhecimento, fomento de redes estratégicas, equipamentos e capacidade técnica acumulada ao longo de 15 anos para empreender no mundo do conteúdo digital inaugurando com excelência este novo modelo que colocará à serviço da audiência e dos clientes produção de conteúdo de alta qualidade nas mais diversas formas de mídia digital a custos muito menores do que as megalomaníacas campanhas de midias tradicionais.

Jean Sestrem

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *